Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Consultório de Planeamento Familiar

Este consultório tem como objectivo informar, ajudar e orientar os seus utilizadores na área da sexualidade e planeamento familiar.

Consultório de Planeamento Familiar

Este consultório tem como objectivo informar, ajudar e orientar os seus utilizadores na área da sexualidade e planeamento familiar.

Vírus do Papiloma Humano

25.02.10, APF

Bom dia a todos e estou mais uma vez aqui nesse maravilhoso site que nos tiram muitas dúvidas prontamente.
Eu adquiri o HPV (com diágnostico de NIC II), em 2005, e fiz uma conização em 2006 para retirada de uma pequena lesão no colo do útero. Tnho acompanhamento médico desde então.
Gostaria de saber se ainda posso transmitir o vírus tendo relação sem camisinha?
Adquiri o vírus da minha primeira relação sexual que tive com meu primeiro parceiro, e nele não se manifestou nada do vírus. Agora, do final de 2009 pra cá, tenho relação com meu segundo parceiro sexual sem camisinha, não contei a ele sobre o vírus por vergonha, e por também pesquisar pela internet sobre o HPV de que esse vírus é mais comum do que se imagina e que a camisinha não é totalmente eficaz para a prevenção, ou seja, até ele mesmo pode ter esse vírus.... é verdade?
 

Cara R.
A Equipa do Consultório de Planeamento Familiar agradece o seu contacto.
O aparecimento do cancro do colo do útero está, muitas vezes, associado ao vírus do papiloma humano. Este vírus é conhecido pelas siglas HPV (Human Papilomavirus). O HPV é o nome de um vírus que inclui cerca de uma centena de variantes e a sua infecção incide-se sobre a pele e as mucosas.
Os vários tipos de cancro que estão associados com o HPV incluem, para além do cancro do colo do útero, o cancro do ânus, da vulva, do pénis, da cabeça e do pescoço.
O HPV pode ser dividido em duas categorias: os tipos de HPV que infectam a pele e os tipos de HPV que infectam a área genital e anal.
Nos tipos de HPV que infectam a pele, incluem-se subtipos como o HPV1 e o HPV2 que podem aparecer, nas mãos, nos pés e na face, usualmente conhecidos como verrugas ou cravos. A infecção por este tipo de vírus pode ocorrer através do contacto ocasional com as zonas infectadas, podendo alastrar-se para outras zonas do corpo.
Nos tipos de HPV que infectam a área genital e anal, são mais de 30 as variantes existentes. Alguns estudos referem que os tipos 6 e 11 possuem uma acção directa no desenvolvimento de condilomas/verrugas genitais na vulva, pénis e ânus. Contudo, estes tipos de vírus não representam grande risco de progressão para malignidade.
Mas, existem alguns tipos de vírus e em especial os que afectam a área genital, que podem causar alterações que vão desde lesões benignas a cancro. Trata-se de estirpes de HPV consideradas de alto risco (tipo 16, 18) por estarem relacionadas com o desenvolvimento de lesões malignas. A Organização Mundial de Saúde (OMS) reconhece estes dois tipos como agentes cancerígenos para os seres humanos.
A sua via de transmissão é através do contacto sexual (sexo vaginal, oral ou anal). Mas, também, pode ser transmitido por via fetal durante o parto. Sendo a sua principal forma de transmissão a via sexual, deve-se tomar algumas precauções. É importante a utilização do preservativo, embora a sua utilização não garanta uma total eficácia na protecção contra a infecção por HPV.
O importante é realizar anualmente exames e/ou análises de rotina, assim como a citologia. Poderá sugerir ao seu parceiro a realização de testes às infecções sexualmente transmissíveis, a fim de evitar um re-infecção.
Esperamos ter esclarecido a sua questão, caso necessite ou fique ainda com alguma dúvida não hesite em voltar a contactar-nos.
Cumprimentos
A Equipa
 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.